Obituário – Dra. Maria do Livramento Ivens Bicudo e Castro de Azeredo Keating

Maria do Livramento Ivens Bicudo e Castro de Azeredo Keating

1930-2021

Maria do Livramento Ivens Bicudo e Castro de Azeredo  keating nasceu em Ponta Delgada, Açores,  a 28 de Abril de 1930 e faleceu no dia 20 de Fevereiro de 2021 em Coimbra vitima  de complicações decorrentes de infecção por coronavírus.  

Era filha única  de Joaquim Zarco da Câmara Bicudo e Castro e de Maria Eduarda  Cogumbreiro  Ivens. Foi casada com José Bernardo de Azeredo Keating do qual teve  sete filhos.

Viveu até aos 18 anos em Ponta Delgada, tendo feito seus primeiros estudos numa escola da Congregação se S. José de Cluny . Ponderou  na sua juventude seguir a carreira missionária. Em 1948, contudo, decidiu ingressar no curso de medicina  em Coimbra onde conheceu José Bernardo Azeredo  Keating , seu colega de curso,  com quem viria a casar em 1956, ano de finalização do curso de ambos.  Após o casamento o  casal decidiu partir para os EUA fixando-se  em St. Louis onde permaneceu  por um período de cinco anos ali  iniciando   as respetivas especializações : José Bernardo Keating em neurologia e Maria do Livramento em Psiquiatria .

Nos EUA teve a oportunidade de trabalhar no Barnes Hospital  e de contactar com aspetos da  teoria e da técnica psicanalítica. Anote-se que a formação hospitalar em psiquiatria nos hospitais norte americanos  era  já  então de inspiração psicodinâmica e  frequente a existência de seminários ministrados por psicanalistas permitindo-se, deste modo, uma  visão psicodinâmica em psiquiatria.

Regressada a Portugal em 1961  terminou a especialização em psiquiatria no serviço de psiquiatria do Hospital da Universidade de Coimbra. 

Em maio de 1976 iniciou a  grupanálise didática com João Azevedo e Silva.

Viabilizando o aprofundamento da  formação psicoterapêutica, para a qual fora sensibilizada nos EUA e atendendo ao o seu interesse  pelas terapias de grupo , em 1978 formalizou a  admissão na então designada SPG onde iniciou  a  formação teórica formal que  terminou em 1982; inicialmente a prática clínica  foi feita sob  supervisão de Maria Rita Mendes Leal. Em julho de 1991 passou a membro Efetivo da SPG, em Novembro de 1995 a membro titular.  Em 2003 como membro didata  foi também  membro do Conselho Científico da SPGPAG sendo nomeada Secretária do Conselho Fiscal  de 1994 a  2002.

Em 1978 trabalhou no Centro de  Estudos e Profilaxia da Droga (CEPD) em Coimbra, primeiro a título precário , posteriormente como Chefe de Clínica; contribuiu com a sua formação grupanalítica, para  a construção de um serviço como valência terapêutica sob a orientação do psicanalista Carlos Amaral Dias. Neste contexto, para além da instalação de uma Clínica psiquiátrica, foi  possível a intervenção psicoterapêutica em situação de grupo e a organização de uma Comunidade  Terapêutica Arco-Íris (A primeira comunidade terapêutica para toxicodependentes  criada no nosso País). 

Em 1990 foi convidada a participar no Gabinete de Coordenação, Planeamento e Combate à Droga assumindo a função de criar um programa de Tratamento de Toxicodependentes em colaboração com a Direção Geral dos Serviços Prisionais. Este empreendimento contou com a colaboração direta de membros  da SPG . como Amélia Teresa Leal, Antonieta Ferreira de Almeida , Capitolino Ricardo Bernardino e Domingos António C. Silva que coordenaram um projeto de tratamento de toxicodependentes em meio prisional – a Ala G no Estabelecimento prisional de Lisboa, estruturada  nos moldes de uma comunidade  terapêutica. Em paralelo   procederam à reestruturação dos Serviços Prisionais do País supervisionando  equipas dispersas  pelo País.

Grande parte de sua vida foi passada em Coimbra onde exerceu a sua atividade privada como psiquiatra, grupanalista, psicoterapeuta e supervisora.

Dotada de apurado sentido do social nunca cessou de colaborar com as instituições públicas, nomeadamente após a sua reforma. Pertenceu `a  Juventude Universitária Católica(JUC), envolveu-se  no Movimento dos Cursos da Cristandade, do qual recordava, com prazer, a dinâmica  relacional  criada em grupo a quando das abordagens espirituais( inovadoras na época); colaborou também nas campanhas de alfabetização após o 25 de Abril em  1974 e nas atividades do Graal, movimento feminista católico, a que pertenceu até  aos seus últimos dias de vida.

 Nunca cessou de colaborar com as instituições publicas, nomeadamente após a sua reforma.

Os que tiveram o privilégio  de com ela privar  acentuaram a sua postura de genuíno  interesse pelos outros,  a sua notável capacidade de trabalho, a sua tranquilidade, mas também,  a sua presença acolhedora, incentivadora  e afetuosa, o seu fino  sentido de humor aliados a uma extraordinária  capacidade  para desfrutar  dos mais pequenos prazeres da vida. Nas   suas últimas idas à SPGPAG  apresentava-se de andar coxeante apoiado numa bengala mas de expressão  amável, atenta  e muito presente.

Foi seguramente uma referência para muitos de nós  que  a viram “partir” com um sentimento  de muita gratidão.

Sara  Ferro 
Cristina Perestrelo Vieira