Dr João de Carvalho Azevedo e Silva – 1927-2021

Obituário

Dr João de Carvalho Azevedo e Silva

1927-2021

Médico Psiquiatra, Grupanalista, Membro Titular Didata da Sociedade Portuguesa de Grupanálise e Psicoterapia Analítica de Grupo (SPGPAG) e Psicanalista da Associação Psicanalítica Internacional (IPA) e Sociedade Portuguesa de Psicanálise (SPP).Foi Membro Fundador e Titular da Sociedade Portuguesa de Arte-Terapia (SPAT). Foi Membro Fundador da Associação de Psicanálise Relacional (PsiR), embora posteriormente tivesse optado por sair da associação.

Foi Membro Fundador da Secção de Grupo-Análise da Sociedade Portuguesa de Neurologia ePsiquiatria e posteriormente da Sociedade Portuguesa de Grupanálise.


Entre outros cargos foi Presidente e Vice-Presidente da SPGPAG. Era desde 2012 seu Presidente Honorário.

Foi professor na Escola de Enfermagem Artur Ravara e durante vários anos Professor Convidado do ISPA.

Exerceu atividade no Hospital Miguel Bombarda como psiquiatra durante cerca de 32anos, foi Chefe de Serviço de psiquiatria tendo atingido a categoria máxima da carreira médica hospitalar.

No HMB desenvolveu diversas atividades em prol dos doentes e da própria dinâmica hospitalar sendo de referir, como exemplo, as seguintes:

– Implementou a criação do Serviço de Psicologia;

– Partindo da 5ª enfermaria de homens, criou e dinamizou o Clube de doentes – Dr Medina. Este clube teve várias atividades que visaram uma maior autonomia dos doentes, potenciando uma forma mais humana de tratamento. Este trabalho desenvolvido, foi publicado e ganhou o prémio Sandoz de Psiquiatria. A sua experiência de trabalho com grupos foi muito importante para o desenvolvimento do Clube Medina e no trabalho hospitalar em geral;

– Introduziu as Reuniões Comunitárias em Enfermaria, abertas a todos os técnicos e doentes;

– Desenvolveu uma abordagem de saúde mental comunitária no 1º Bairro de Lisboa – através do PSMI (Programa de Saúde Mental Integrada);

– Introduziu o pedido de reformas para os doentes incapacitados para o trabalho.

No seu contacto com os doentes sempre valorizou o sentido humano da vida e isto o norteou nas suas atividades e formas de intervenção.

Fez a sua grupanálise com o Prof. Cortesão e foi seu colega de trabalho no HMB. Referiu que este teve sempre grande significado para ele.

Desde sempre desenvolveu e dinamizou a Grupanálise em Portugal, juntamente com Cortesão e outros colegas.

Para ele a Grupanálise é uma forma aplicada de psicanálise, mas não subalterna, e com imensas possibilidades de aplicação e desenvolvimento. Valorizou sempre o aspeto humano e relacional da intervenção analítica. Para ele, os afetos têm um lugar crucial na relação com o outro.

Publicou vários artigos e participou ativamente e sempre com grande entusiasmo e iniciativa nas diversas atividades da SPGPAG, colaborando regularmente como formador no curso de formação, participando em congressos nacionais e internacionais (onde foi membro da comissão organizadora e presidente de vários congressos) e de um modo geral em todas as atividades que a SPGPAG foi desenvolvendo.

Foi um defensor indelével dos seus valores e ideais. Personalidade caraterizada por uma inquietação de querer saber sempre mais, de conhecer melhor o outro e de o querer ajudar, o Dr. João Azevedo e Silva revelou sempre um desejo de procura e de compreensão, daquilo que designou também como as suas “dúvidas optativas”.

Crítico da Sociedade Espetáculo, nomeadamente quando esta nos desvia daquilo que é realmente importante de ser pensado e refletido em termos pessoais e sociais. Preconizou uma visão dialética da existência, onde, na essência, está sempre presente o conceito de unidade e luta dos contrários, bem como a noção de que uma ideia ou fenómeno social ou natural, ao apresentarem-se como tese suscitam a sua antítese, daí resultando a superação, na síntese.

Com base na sua larga experiência clínica e pensamento conceptual, desenvolveu novos conceitos como os de comunicação metadramática e de espaço interno de dúvida optativa.

Considerou o modelo da Escola Portuguesa de Grupanálise como aquele com o qual se identificou mais.

Em termos da sua vida pessoal, e para além da sua vivência familiar tão rica (casado, com cinco filhos, netos, etc), sempre gostou de nadar e montar a cavalo (fez o serviço militar em Cavalaria), revelando ainda um grande gosto por literatura, ouvir música clássica, ballet, cinema, dar passeios, conversar com amigos, entre outras atividades.