Recordar Oliver Sacks (por Rita Lobo)

30 Oct, 2015
Recordar Oliver Sacks (por Rita Lobo)

Oliver Sacks, aclamado neurologista e escritor morreu, este 30 de Agosto, na sua casa em Greenwich Village com 82 anos.

Oliver Sacks, em 1966, destacou-se pela intervenção num grupo de pacientes que não se moviam há décadas, num estranho estado congelado. Reconheceu que estes pacientes eram sobreviventes de uma grande pandemia da doença de sono que tinha varrido o mundo entre 1916 e 1927, e arriscou tratá-los com um medicamento novo da época, o L-dopa, permitindo que eles regressassem a uma vida normal. Este caso inspirou-o a escrever em 1973 o livro Awakenings (em português Despertares), adaptado ao cinema, tendo contado com Robin Williams e Robert de Niro nos papéis principais.

Sacks ficou muito conhecido pelos seus livros (vários best-sellers) onde conta histórias de casos verdadeiros, nos limites das experiências neurológicas, de pacientes que lutam para viver com síndrome de Tourette, autismo, epilepsia, síndrome do membro fantasma ou esquizofrenia. No seu livro “O homem que confundiu sua mulher com um chapéu” a narrativa transporta-nos para novas realidades que nos permitem colocar questões importantes sobre os limites entre o físico e o psíquico. O New York Times referiu-se a Oliver Sacks como “o poeta laureado da medicina”.

No final da vida sentia-se muito grato por uma vida onde, pelas suas palavras, “Amei e fui amado. Recebi muito e dei alguma coisa. Li, viajei, pensei e escrevi”.

Oliver Sacks lutou sempre para reduzir o estigma da doença mental e neurológica, apoiando uma abordagem mais humana da neurologia e da psiquiatria.

Para mais informações clique aqui http://www.oliversacks.com/

Rita Lobo